WATV.org is provided in English. Would you like to change to English?

Os Oceanos, o Reservatório da Vida

860 Visualizações

Em 26 de março de 2012, James Cameron, o diretor dos filmes TITANIC e AVATAR, explorou com sucesso a Fossa das Marianas. A Fossa das Marianas, conhecida como a parte mais profunda dos oceanos do mundo, chega a uma profundidade de cerca de 11 ㎞. É mais profunda que a altura do monte Everest (8.848 m acima do nível do mar). Por que a expedição aos mares, tão familiar a nós, atrai tanta atenção na época da ciência avançada, quando até mesmo deixamos vestígios humanos no espaço? É porque é difícil para os seres humanos explorar o fundo dos mares por conta da alta pressão, a temperatura fria da água e a completa escuridão. James Cameron realizou uma expedição de seis horas com o “Deepsea Challenger”, um submarino de mergulho profundo desenhado para suportar a pressão da água até 12 ㎞ abaixo do nível do mar, e assim se tornou a terceira pessoa a alcançar o ponto mais profundo da Terra, depois da expedição de Jacques Piccard e Don Walsh em 1960. Apenas três pessoas estiveram nas profundezas do mar, e o que mais nos surpreende é o fato de que a geografia do fundo do mar foi revelada depois como a geografia da superfície frontal da Lua. O espaço que contém tantos mistérios como o universo, é o mar.

Um Vasto Lugar de Vida

Os oceanógrafos dizem que os humanos apenas exploraram 5% dos oceanos até agora. Cerca de 71% da superfície terrestre está coberta por oceanos, e suas áreas alcançam cerca de 361 milhões de ㎢. Toda a água da Terra é de aproximadamente 1.369 milhões de ㎦, e os oceanos contêm cerca de 97,3% da água da Terra. O peso da água dos oceanos está estimado em cerca de 1,35 trilhão de toneladas. Os oceanos não são apenas enormes, mas também são extremamente profundos. A profundidade média dos oceanos é de 3.800 m, que é muito mais profundo que a altura média das terras, que é 840 m. Se todas as terras caíssem nos oceanos, elas seriam completamente submersas e ainda estariam 2.440 m aprofundadas. Isso mostra o quão vasto e profundo são os oceanos. Não é um exagero dizer que a Terra é o planeta água ou o planeta dos oceanos.

Inumeráveis organismos vivos habitam nos vastos oceanos, e a ampla variedade de organismos vivos da Terra se originaram deles. Quanto aos peixes, os organismos que representam o mar, há mais de 30.000 espécies, que ocupam a maior parte entre os vertebrados. Em comparação com os mamíferos, a quantidade de espécies de peixes é seis vezes maior. E isso não é tudo. Há muitos tipos de organismos vivos que se acolhem nos oceanos. Não há somente crustáceos como camarões, mariscos e corais, mas também há o plâncton que é quase invisível e até a baleia azul, o maior animal do planeta. É impossível contar os diferentes tipos de organismos vivos que habitam nos extensos oceanos. Nos mares profundos, ainda se está descobrindo novas espécies de criaturas marinhas. Os oceanógrafos dizem que 95% das criaturas marinhas provavelmente ainda são criaturas desconhecidas que não têm nome.

O Dispositivo de Controle da Temperatura da Terra

Os mares e oceanos não são apenas o lar de vários organismos, mas também um lugar apropriado que permite que muitos seres vivos habitem na terra. São como um dispositivo de controle da temperatura da Terra. Há severas mudanças de temperatura na terra; podendo diminuir até -90 ℃ e alcançar até 70 ℃.

Por outro lado, as mudanças de temperatura são muito menores nos mares: de -2 ºC a 30 ℃. Porque a água tem um calor específico alto1, a temperatura não muda facilmente, em comparação a outras substâncias. A quantidade de calor necessária para elevar a temperatura da água em 1 ℃ é 3.000 vezes maior que a quantidade de calor necessária para elevar o mesmo volume do ar em 1 ℃. É dessa forma que os mares podem manter uma temperatura relativamente estável em comparação com a terra, e também podem armazenar energia térmica na água do mar. Os mares e oceanos também distribuem o calor da região equatorial para várias regiões da terra através de um enorme sistema de circulação chamado de correntes oceânicas. As correntes oceânicas se movem como correias de transporte, levando a energia térmica do Sol. Como os mares levam calor através do grande calor específico da água, a terra pode ter climas estáveis.

1. Calor específico: Quantidade de calor por unidade de massa necessária para aumentar a temperatura em um grau Celsius.

Suponhamos que a Terra tenha menos água e que o tamanho dos oceanos seja menor do que é agora, os mares não estariam conectados um com o outro, e as correntes oceânicas não poderiam se mover. Dessa forma, o transporte da energia térmica na Terra não seria tão ativo como agora e teríamos que sofrer com climas extremos. Ao pensar nesses fatos, podemos dizer que os mares não são apenas águas azuladas com ondas sinuosas, mas que são a base da vida.

Fonte de Minerais

A água do mar é salgada e amarga, diferente da água doce. Isso se deve ao fato de que a água é um líquido muito complexo com vários tipos de minerais, incluindo o sal. É dito que a quantidade de sal em toda a água do mar da Terra é de mais de 50 trilhões de toneladas, o que explica por que os oceanos são chamados de o maior armazém de minerais da Terra. As criaturas marinhas têm usado os minerais do oceano com eficácia já há muito tempo, quando a humanidade ainda não conhecia o seu valor. Até foi descoberto vanádio2 no sangue dos pepinos do mar e dos abacaxis do mar, o homem nem sequer sabia que a água do mar continha vanádio. O cobalto3 foi descoberto nas lagostas e nos mexilhões, e também foi descoberto que os moluscos usam níquel4. As criaturas marinhas têm usado esses minerais cujos nomes os seres humanos sequer conheciam, até mesmo antes do homem começar a usá-los. Por outro lado, a humanidade apenas tem tido um êxito limitado ao extrair alguns minerais da água do mar. As técnicas do homem estão em um nível principiante em comparação com as criaturas marinhas.

  • 2. Vanádio: Elemento químico do número atômico 23. É um metal de transição duro, cinza prateado, flexível e maleável. O aço vanádio é usado em fuselagens de alta velocidade, motores a jato, etc. Alguns animais têm vanádio, mas seu papel neles ainda não está claro.
  • 3. Cobalto: Elemento químico do número atômico 27. É um metal duro, cinza prateado. É utilizado na preparação de ligas magnéticas e de alta resistência.
  • 4. Níquel: elemento químico do número atômico 28. É usado para fabricar aço inoxidável e também para ligas, moedas, baterias etc.

Recebendo e Purificando Todas as Sujeiras

Os mares recebem todo o tipo de coisas da terra, mas mesmo assim não apodrecem. Isso porque os mares seguem fluindo, como diz o ditado: “A água corrente não apodrece”. Pode-se absorver mais oxigênio na água corrente do que na água parada. Assim, os poluentes dos mares se oxidam, as criaturas do mar, incluindo os micro-organismos, decompõem os poluentes usando o oxigênio. Além disso, as zonas úmidas costeiras, que são purificadoras, desempenham um papel importante para manter os mares estáveis. As densas partículas das zonas úmidas costeiras purificam os mares, como um filtro que deixa passar a água e filtra as impurezas. E isso não é tudo. Os micro-organismos que vivem nas zonas úmidas costeiras também se alimentam de matérias orgânicas. A capacidade dos micro-organismos para decompor poluentes em 1 ㎢ de uma zona úmida costeira é equivalente ao trabalho de uma estação de tratamento de águas residuais. Se a floresta amazônica é o “pulmão da Terra”, as zonas úmidas costeiras são os “rins da Terra”.

Desde a Revolução Industrial o uso de combustíveis fósseis tem se acelerado, o que resultou em um aumento drástico do nível de dióxido de carbono na atmosfera. O dióxido de carbono, que é um gás de efeito estufa, aumenta a temperatura da Terra. Os mares absorvem o dióxido de carbono, que se acredita ser a causa principal do efeito estufa, e também o armazenam. O dióxido de carbono na atmosfera se dissolve na água fria do mar e fica armazenado nas profundezas do oceano, ou são consumidos por meio da fotossíntese do fitoplâncton. O fitoplâncton do oceano se alimenta do dióxido de carbono e produz oxigênio, e cria cerca de 70% do oxigênio da atmosfera. Isso é muito mais que a quantidade de oxigênio produzido pela floresta amazônica, chamada pulmão da Terra. Através da fotossíntese do fitoplâncton, o nível de dióxido de carbono nos oceanos diminui e o nível de oxigênio aumenta. A quantidade de dióxido de carbono produzido pelo uso de combustíveis fósseis durante os últimos duzentos anos, desde cerca do ano 1800, é de 244 bilhões de toneladas. A água do mar tem um papel muito importante no impedimento do aumento do nível de dióxido de carbono no ar, já que cerca de 118 bilhões de toneladas deste, que é aproximadamente a metade do que se tem produzido, se infiltrou na água do mar.

Os mares são o lar de diversas criaturas e também fazem com que os ambientes da Terra sejam adequados para numerosos seres vivos. A Terra tem um dispositivo excepcional que filtra a água salgada e proporciona água doce para a Terra. Anualmente, 425.000 ㎦ de água do mar evapora pela energia solar, e o vapor se converte em nuvens e depois chove sobre a terra. A água doce que usamos vem dos mares. Os mares produzem água e oxigênio constantemente, que são o mais importante para os organismos vivos.

A Terra é o único planeta com oceano no sistema solar, e é o único planeta vivo onde habitam organismos vivos. Apesar de existirem muitas pesquisas, não foi encontrado nenhum planeta apropriado para os organismos vivos como a Terra. O “Mármore Azul” é uma famosa imagem da Terra fotografada em 1972 pela tripulação da nave espacial Apollo 17. A Terra recebeu esse nome porque se parece com um mármore azul graças aos oceanos que rodeiam a sua superfície. É uma grande sorte para a humanidade os oceanos rodearem a Terra. Não é uma coincidência que a composição química de fluidos corporais de muitos organismos, incluindo os humanos, seja similar à água do mar. Porém, o que temos aprendido sobre os mares é apenas a ponta do iceberg.

Mármore Azul, uma foto da Terra tirada pela tripulação da nave espacial Apollo 17
Fonte: NASA / Wikimedia commons

Há uma grande possibilidade de que os mares, que tem um ambiente estável, tenham desempenhado o papel de um útero para que os seres vivos nascessem pela primeira vez. Durante muito tempo, os mares têm sido um reservatório de vida para a Terra. Os mares até mesmo acolhem barcos naufragados feitos de metal frio, e os transformam em ninhos para as criaturas marinhas. Os mares são como uma mãe que abraça todas as coisas e dá a vida a elas; os mares dão benefícios infinitos para a humanidade e também dão prazerosamente às pessoas um canto no coração.

“Que variedade, SENHOR, nas tuas obras! Todas com sabedoria as fizeste; cheia está a terra das tuas riquezas. Eis o mar vasto, imenso, no qual se movem seres sem conta, animais pequenos e grandes. Por ele transitam os navios e o monstro marinho que formaste para nele folgar.” Sl. 104:24-26

Referências:
Rachel Carson, The Sea Around Us, Oxford University Press, 1991
Yun Gyeong-cheol, Uma grande viagem pelo mar (em coreano, 대단한 바다여행), Pureungil, 2009
Park Dong-gon, Por favor, cuide da Terra (em coreano, 지구를 부탁해), Science Books, 2011