WATV.org is provided in English. Would you like to change to English?

Juntos

225 Visualizações

Isso é tão prejudicial para o corpo quanto fumar quinze cigarros por dia. Isso aumenta a chance de contrair certas doenças. As pessoas que sofrem com isso têm 30% mais chance de sofrer um derrame, 40% mais chance de sofrer de demência e duas vezes mais chance de sofrer de uma doença cardíaca, em comparação com pessoas saudáveis. O que é isso?

É solidão. Vivek H. Murthy, ex-vice-almirante do Corpo Comissionado do Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos, apontou que a solidão é um fator que causa problemas da sociedade moderna, como depressão e dependência de drogas. Ele afirmou que as doenças que surgem da solidão podem ser mais prejudiciais ao corpo do que as doenças físicas gerais. Ele até se tornou a primeira pessoa a adicionar a solidão à lista de doenças que exigem cuidados especiais intensivos do país enquanto estava no cargo. Outros países, como Austrália e Irlanda, também reconheceram a gravidade da solidão e estão buscando soluções.

O Reino Unido até nomeou um “Ministro da Solidão” e está fazendo movimentos ativamente para superar a solidão. Residentes em várias partes do Reino Unido abrem voluntariamente festas em junho de cada ano. Chama-se “The Great Get Together”, um evento de três dias onde eles compartilham comida e conversa. À medida que planejam o evento com os vizinhos e decidem o local do evento e a comida a servir, isso ajuda a reduzir a solidão. 71% dos participantes responderam que ajudou a aliviar a solidão. Uma mulher de Bristol disse: “Nos últimos 20 anos, sofri de síndrome de fadiga crônica, o que dificultou meu trabalho ou interação com outras pessoas. Mas preparando o evento, eu definitivamente tenho energia”.

“The Men’s Shed Movement”, que é para homens de meia-idade que sofrem de letargia e solidão após a aposentadoria, exibe um efeito semelhante. Assim como o próprio nome indica, os participantes se reúnem em um galpão e se concentram em atividades produtivas, como fazer móveis, vasos de flores e brinquedos, ou consertar carros. Seu objetivo é remover a solidão e o isolamento através do trabalho em equipe.

O que esses dois projetos têm em comum é que são as atividades que as “pessoas fazem juntas”. Ao comunicar e compartilhar emoções uns com os outros, eles descobrem que não estão sozinhos e se sentem menos solitários e também ganham força. O problema é que a situação atual não nos permite passar tanto tempo juntos com os outros quanto antes.

Nosso estilo de vida mudou drasticamente devido à pandemia da Covid-19. Tornou-se uma norma trabalhar em casa ou fazer aulas on-line; e encontrar-se com amigos ou fazer uma refeição com amigos tornou-se um evento especial. Durante esse período em que é mais fácil para qualquer um ser varrido pelas ondas da solidão, há uma coisa que devemos lembrar. É o fato de que Deus está sempre conosco.

Após o confronto contra os 850 adoradores de Baal, Elias fugiu para o deserto longe da ameaça de seus inimigos. Enquanto Elias pensava que não havia ninguém ao seu lado, Deus enviou seu anjo a ele para cuidar dele, e quando ele estava no monte Horebe, Deus o fez perceber que não estava sozinho, dizendo: “Reservo sete mil em Israel – todos cujos joelhos não se dobraram a Baal”. Tendo se recomposto, Elias se recompôs e cumpriu sua missão (1Rs. 19; Rm. 11:2-5).

Além disso, quando Daniel estava orando em direção a Jerusalém todos os dias enquanto vivia em cativeiro na Babilônia, Deus estava sempre com ele e respondia às suas orações. Mesmo no momento crítico quando ele foi jogado na cova dos leões, Deus enviou um anjo e o protegeu (Dn. 9:20-23; 6:16-23). Quanto a Moisés, que estava liderando os israelitas no deserto após o Êxodo, Deus reuniu 70 pessoas para cuidar do povo, para que Moisés não tivesse que carregar sozinho o pesado fardo da responsabilidade, e Deus ficou com ele onde quer que ele foi e o ajudou (Nm. 11:14-17).

De acordo com a recente pesquisa sobre a saúde mental afetada pela Covid-19, realizada pelas equipes de pesquisa da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, 35% dos cerca de 15.000 participantes responderam que muitas vezes se sentem solitários. Todos nós temos momentos em que sentimos que não há ninguém com quem conversar sobre coisas que estão em nossas mentes, ou sentimos um vazio em nossos corações, ou de repente nos sentimos solitários. Sempre que temos esses momentos, vamos sentir as mãos de Deus que cuida de cada detalhe de nossas almas. Como Deus está sempre conosco em nossos caminhos, não estamos sozinhos. Nossos caminhos de fé não são solitários porque também temos irmãos e irmãs que se encorajam e torcem uns pelos outros.