WATV.org is provided in English. Would you like to change to English?

A Mãe Responde Inclusive as Menores Orações

Kim Gyeong-suk, de Osan, Coreia

357 Visualizações

Um dia, aproximadamente cinco meses depois de ter meu primeiro filho, me deitei para dormir um pouco. Então, de repente, veio à minha mente um pensamento que não me deixou dormir.

“O que acontecerá quando eu morrer?”

Não tinha nem ideia porque sentia curiosidade sobre isso de repente, e não podia deixar de pensar na vida depois da morte. Talvez tenha sido por ter acabado de me tornar mãe e necessitava cuidar de meu bebê, e isto me deixou mais ansiosa para evitar a morte. Por aquele tempo, conheci algumas pessoas da Igreja de Deus. Na verdade, minha relação com a Igreja de Deus começou quando meu primeiro filho ainda estava em meu ventre. Me surpreendi muito ao escutar sobre o Dia de Sábado dos membros da Igreja que conheci naquele momento. Contudo, já que minha irmã mais velha era uma fervorosa budista, tive que deixar de me encontrar com eles, por isso não pude ter mais oportunidade de estudar.

As pessoas da Igreja de Deus que conheci depois de dar à luz o meu primeiro filho, disseram que o Natal não está na Bíblia. Isto era surpreendente para mim. Eu queria conhecer mais detalhadamente sobre a verdade, por isso estudei as palavras de Deus todos os dias com elas durante um mês. Pude confirmar através da Bíblia a verdade da Nova Aliança e a existência da Mãe celestial assim como a providência do mundo espiritual que sempre tive curiosidade.

Imediatamente após renascer como filha de Deus, guardei o Dia de Sábado. Ao guardar o Dia de Sábado senti que minha alma havia sido limpa, já que a Bíblia diz que Deus santificou esse dia. Não havia nenhum motivo para não seguir a lei de Deus continuamente. Quanto mais frequentava os cultos, mais acreditava que Deus é o maior entre os muitos deuses do mundo.

Como me mantive firme na verdade, minha família, incluindo minha irmã mais velha, começou a se opor seriamente. Eles não gostavam de igrejas, e além disso, haviam escutado informações falsas sobre a Igreja de Deus. Eu queria ajudá-los a conhecer nossa Igreja corretamente, porém a impressão que tinham sobre nossa Igreja não mudou facilmente. Eu não tinha outra opção, além de continuar orando a Deus que abrisse o coração de todos eles.

Passaram-se vários meses, porém a atitude da minha família não mudava. Meu coração estava ardente já que a Páscoa se aproximava. Me enchi de coragem e disse à minha mãe:

“Mãe, se você guardar a Páscoa da Nova Aliança, poderá ter a proteção de Deus. Quero que você a celebre comigo.”

Então ela disse: “Está bem, eu irei”. Veio a Sião imediatamente e recebeu o sinal da salvação. Também guardou o Dia de Sábado e a Páscoa. Me senti um pouco confusa, já que tudo aconteceu repentinamente.

Depois me dei conta de que isto não aconteceu por casualidade. Antes que minha mãe recebesse a verdade, tivemos dois encontros com o pastor de uma igreja protestante que minha tia frequentava porque ela havia organizado. No segundo encontro, eu estava junto com alguns membros de Sião e anunciamos valentemente que o Dia de Sábado e a Páscoa são as verdades da Bíblia. Minha mãe provavelmente se surpreendeu ao ouvir nossa pregação naquele momento.

Desde então, ela continuou observando a forma que eu agia. Parecia que havia decidido guardar a Páscoa porque eu não estava no caminho incorreto, contrariamente às suas preocupações, e porque tudo o que lhe havia pregado estava na Bíblia.

Eu orava para que ela continuasse vindo à Sião depois de se converter em filha celestial. Um dia, uma dificuldade inesperada veio de repente sobre ela. Foi ao hospital porque sua saúde se deteriorou repentinamente, e a diagnosticaram com câncer terminal.

Mesmo que fosse uma situação desesperadora, não caiu em desespero, mas confiou em Deus. Depois de compreender que a essência da vida pode ser encontrada apenas no mundo eterno, o mundo angélico, continuou vindo à Sião e guardou a promessa de Deus inclusive em meio a um tratamento do câncer.

Sua probabilidade de sobrevivência era de apenas 20%, as possibilidades de uma completa recuperação eram quase nulas. Contudo, sete semanas depois de começar seu tratamento de quimioterapia, aconteceu algo surpreendente que assombrou até o médico. O tumor de seu corpo havia desaparecido completamente. Na verdade, não foi confirmado que se curaria mesmo tem se submetido a uma cirurgia e havia recebido tratamento por mais de meio ano. Contudo, ela foi curada completamente sem cirurgia em um curto período de tempo. Então sua fé em Deus se tornou mais forte. Ela chegou a considerar os mandamentos de Deus mais preciosos que qualquer coisa.

Isto me recordava algo que costumava acontecer antes: cada vez que orava por minha mãe, pedia fervorosamente que a ajudasse a guardar as leis de Deus, considerando-as muito preciosas, para que pudesse ir ao reino dos céus sem falta.

Depois de experimentar a ajuda de Deus que respondeu inclusive uma oração que ofereci com uma fé pequena e imatura, comecei a orar mais seriamente para que meu marido se convertesse em membro da família celestial. Contudo, não foi fácil pregar a palavra de Deus, já que ele estava muito ocupado trabalhando todos os dias para sustentar sua família e em segundo lugar porque não gostava das igrejas.

Depois, ele chegou a Sião por uma razão inesperada: de repente teve uma apendicectomia. Quando esteve no hospital, alguns membros de Sião foram vê-lo e inclusive o ajudaram com o procedimento para receber a alta. Ele se comoveu muito por isso e visitou Sião para expressar seu agradecimento. Depois estudou a Bíblia e recebeu uma nova vida.

Há um ditado: “Dez anos são uma época”. Uma mudança chegou também à minha irmã que parecia que nunca abriria seu coração. Isto foi provavelmente porque sentiu que eu queria sinceramente que ela fosse salva, sem importar como me tratava. Sua atitude para comigo mudou muito.

Um dia, tive a oportunidade de conversar com ela tranquilamente depois de muito tempo. Naquele momento, minha irmã se desculpou por como me havia tratado usando minha religião como desculpa.

Ela havia vivido uma vida dolorosa e solitária. Depois de refletir muito, compreendi que era apenas o amor da Mãe o que ela verdadeiramente necessitava. Pensei no que devia fazer para ajudá-la a sentir o amor da Mãe. Nesse exato momento foi realizada a Exposição Literária e Fotográfica “Nossa Mãe”, para a qual a convidei.

Foi muito emocionante o simples fato de ver minha irmã entrar na Igreja, e meus olhos não podiam crer como havia mudado depois de olhar a exposição. Parecia muito brilhante e feliz. Na última seção da sala de exposição, ela leu os escritos que mostravam a raiz da maternidade e investigou a existência da Mãe celestial na Bíblia, uma e outra vez. Isto provavelmente mudou seu coração.

Três dias depois, minha irmã me ligou.

“Quero crer em Deus.”

Meus ouvidos não podiam crer. Perguntei a ela muitas vezes se tinha certeza; e cada vez me dava a mesma resposta, ela disse que iria crer em Deus. Finalmente veio a Deus e recebeu a bênção do perdão dos pecados.

Naqueles dias, ela atravessava um momento difícil e inclusive sofria de depressão. Ao ver como eu superava as grandes e pequenas dificuldades com fé em Deus, pensou: “Esse é o poder da fé? Talvez eu também deva crer em Deus”. Em um momento oportuno ela foi convidada para a exposição e se sentiu feliz. Todas as suas ideias fixas sobre a Igreja se desfizeram em pedaços através da exposição.

Pouco tempo depois de ela receber Deus, seu marido também visitou a exposição e se tornou em membro da família celestial. Ele disse que também se surpreendeu ao me ver com os irmãos e irmãs de Sião quando veio pela primeira vez à Igreja. Escutei de minha irmã que ele a animava a seguir frequentando a Igreja, dizendo: “Estou certo de que você também chegará a ser resplandecente como sua irmã se continuar frequentando ali”. Posso imaginar quão surpreso deve ter ficado.

Minha irmã era reconhecida por ser dura, mas agora mudou totalmente; ela é a vizinha favorita de todos e vem a Sião serenamente. Seu modo de falar e sua personalidade se tornaram tão dóceis que inclusive as pessoas ao seu redor dificilmente podem reconhecê-la. O simples fato de que ela tenha mudado é uma fragrância de Sião para todos. Agora ela está muito ocupada buscando oportunidades para servir os membros da família celestial, e também guarda os mandamentos de Deus com diligência.

Enquanto se torna mais digna de ser filha de Deus, também está muito ansiosa para cumprir a missão da pregação do evangelho. Por mais de dez anos se havia negado obstinadamente a receber a verdade, porém finalmente a recebeu. Isto a ajudou a crer firmemente que todos podem se converter em filhos de Deus mesmo que agora sejam muito obstinados.

Minha irmã e eu chegamos a ter um só pensamento para salvar almas, e convidamos nossa tia a Sião; ela antes havia negado a verdade junto com minha irmã. Depois de ver a Exposição Literária e Fotográfica “Nossa Mãe”, começou a ver a Igreja de Deus de uma forma diferente. Ao ver sua mudança de atitude, minha irmã estava mais emocionada que eu. Quando nossa tia entrou na Igreja pela primeira vez, minha irmã chorou muito e me disse: “É assim como você se sentiu a primeira vez que me trouxe a Sião?”.

Parecia que havia orado muito ansiosamente pela nossa tia. Ao ver minha irmã nascer de novo como obreira do evangelho depois de se arrepender, eu compreendi que Deus escutou minha oração também nesta ocasião.

“Por favor, ajude minha irmã a converter-se em obreira do evangelho como o apóstolo Paulo.”

Apenas Deus, quem escutava minha oração, deveria saber que alguém logo voltaria a Deus.

Uma vez, quando era pequena, perdi minha mãe no mercado. Naquele momento ela estava usando um casaco vermelho. Assim tentei encontrá-la procurando alguém com um casaco vermelho. Porém não a encontrei em nenhuma parte. Nesse exato momento, alguém gritou o meu nome.

“Kim Gyeong-suk! O que faz ali? Venha imediatamente para cá!”

Era minha irmã que me ajudou a encontrar minha mãe naquele dia. Creio que retribui sua ajuda de algum modo, a guiando à Mãe de nossos espíritos.

No dia em que minha irmã renasceu como membro da família celestial, se desculpou por todos aqueles momentos difíceis que me fez passar. Ela me abraçou e perguntou:

“Como você fez para não me abandonar e orar por mim?”

Já que também sou um ser humano, na verdade sentia que queria desistir de tudo quando tinha severos problemas com minha irmã. Contudo, tive a oportunidade de pregar incansavelmente a vontade de Deus à minha família sem me render, já que minha convicção na verdade se tornou mais forte enquanto entregava o evangelho frequentemente não importando com quem eu encontrasse. E acima de tudo, é claro que a maior razão é a “Mãe”.

A Mãe celestial respondeu todas as minhas orações; ela deve ter estado preocupada por minha alma. A Mãe respondeu inclusive as menores orações. Cada vez que respondia minha oração, sentia que estava me dando uma mensagem de ânimo: “Estou sempre contigo, zelando por ti”. A Mãe deve ter estado preocupado por mim em cada momento, sentindo-se mais ansiosa que eu cada vez que esta filha tinha problemas e estava angustiada. Ao pensar na Mãe, eu não podia abandonar a pregação do evangelho sem importar qual dificuldade e provas enfrentaria.

O amor da Mãe é sempre o mesmo e durará para sempre. Sinto profunda e detalhadamente seu amor inclusive no meu dia a dia. Já que recebi abundantes bênçãos de Deus, sempre estarei agradecida e me dedicarei voluntariamente à obra de Deus. A Mãe trabalha até agora, e eu trabalho também.