WATV.org is provided in English. Would you like to change to English?

A Festa da Dedicação

102 Visualizações

A Festa da Dedicação é uma festa judaica, guardada no dia 25 do mês de Kislev (o nono mês do calendário sagrado); ela não pertence à lei de Moisés.

“Celebrava-se em Jerusalém a Festa da Dedicação. Era inverno. Jesus passeava no templo, no Pórtico de Salomão.” Jo. 10:22-23

A Grécia, que havia conquistado a Média-Pérsia, depois da morte de Alexandre o Grande, foi dividida em quatro reinos pelos seus quatro generais: Macedônia por Cassandro, Síria por Seleuco, Ásia Menor por Lisímaco, e Egito por Ptolomeu. Cada um deles se chamou sucessor de Alexandre. Depois, a dinastia de Lisímaco da Ásia Menor foi conquistada pela dinastia de Seleuco da Síria, e só restaram três dinastias.

Judá, que estava sob o domínio colonial da Babilônia e do império da Média-Pérsia, caiu sob a colônia da Grécia. A princípio, Judá era uma colônia da dinastia de Ptolomeu do Egito, mas cem anos depois, o Egito perdeu na batalha contra a Síria, e Judá se tornou uma colônia da Síria (em torno do ano 198 a.C.).

Quando Antíoco IV (doravante apenas “Antíoco”) se tornou rei da dinastia de Seleuco (Síria), ele começou a promover a helenização; ele obrigou todas as suas colônias a servir aos deuses da Grécia, e condenou à morte aqueles que continuaram a adorar os seus próprios deuses. Esta política foi realizada amplamente por todo o império, com influências que variam de fatores sociais até estilos de vida individuais.

Alguns judeus concordaram com a sua política e abandonaram seus hábitos de vida tradicional e fé. Eles serviram aos deuses gregos, participaram de esportes em ginásios, e até usavam roupas gregas, seguindo os costumes gregos.

Os reis da Síria aceitaram o suborno dos sacerdotes judeus que foram amigáveis com eles, e os nomearam para ser sumo sacerdote. Alguns judeus até tentaram alcançar a posição de sumo sacerdote prometendo que depois dariam suborno ao rei. Estes se tornaram apenas espectadores enquanto Antíoco saqueava coisas sagradas e utensílios do templo, e até roubaram os utensílios do templo para vender e dar suborno ao rei como haviam prometido.

Antíoco não deixava os judeus fazerem a circuncisão e guardarem o Dia de Sábado e as festas de Deus. E até os forçou a servir a deuses gregos, e matou aqueles que não obedeciam à sua ordem. No templo de Deus tinha estátua de Zeus e vários tipos de ídolos (as imagens em escultura dos deuses gregos). Então o templo se tornou um lugar de idolatria, onde os gregos e apóstatas (os judeus helenistas) adoraram ídolos.

Os judeus devotos tiveram que fugir ao deserto e às montanhas, evitando a perseguição. Quando eram encontrados guardando os estatutos e as leis de Deus, eram assassinados pela ordem do rei. Muitos dos judeus devotos foram mortos.

Naquele tempo, um líder apareceu entre as pessoas que tentaram seguir as leis de Deus. Ele era Matatias da tribo de Levi, que teve cinco filhos. Matatias reuniu seus filhos e aqueles que estavam dispostos a guardar a lei de Deus, e clamou a importância de observar as leis contra Antíoco.

Os servos do rei tentaram conciliar Matatias lhe apresentando riquezas e honra. Contudo, a vontade de Matatias era tão firme que deixou a cidade para se mudar para a montanha com os que procuravam guardar as leis de Deus. Eles organizaram um exército para lutar contra Antíoco e destruíram os ídolos e altares da Grécia postos em vários lugares.

Depois da morte de Matatias, o seu terceiro filho, Judas Macabeu, se tornou líder. Macabeu era muito valente e fervoroso. Ele expandiu o movimento de independência em toda a região e fez muitos judeus se unirem ao movimento. Naquele tempo, Antíoco estava em guerra contra os partos, por isso ele não pôde enviar a sua força principal para acabar com a revolta judaica. Mesmo assim, ele enviou um grande exército que foi além de comparação com o exército de Macabeu. Mas sua força foi derrotada pelo Macabeu várias vezes e então, Antíoco teve de retirar suas tropas. Macabeu começou a desfazer-se de todos os ídolos, e dedicou o templo limpo a Deus no décimo segundo mês. Depois de restaurar o templo que estava sujo de ídolos, durante oito dias a contar do dia 25 do mês de Kislev, os judeus celebraram a festa. Esta festa foi chamada da Festa da Dedicação.

A Festa da Dedicação não é uma festa de Deus, mas sim apenas uma festa nacional dos judeus. É por isto que nós não guardamos a Festa da Dedicação. Contudo, nós devemos gravar em nossos corações a mentalidade daqueles que serviram somente a Deus e tentaram preservar o templo mesmo que tenham passado por muitos sofrimentos vivendo desconfortáveis nas montanhas e nos desertos.